segunda-feira, dezembro 08, 2008

O que são palavras senão fotos?

-Minha foto?
-Sim, sua foto.
-Mas eu não sou a minha foto? O que são palavras senão fotos? O que são fotos senão palavras que tecemos nas estradas da vida? Tu és decididamente uma chata.
-Qual sua idade? É casado? Tem filhos? Qual sua profissão?
-E lá estás tu igual a tantas outras, feita da mesma farinha banal. Posso fazer-te uma banalíssima proposta?
-Depende, se não responde eu vou deleta-lo.
-Ser-te-á possível caminhares devagar, sem aquela pressa doentia que consiste em dar à vida a urgência dos sms?
-Qual sua profissão?
-Sou professor de filosofia num país africano.
-Qual país?
-Angola.
-Onde fica esse país?
-Num continente chamado África.
-Não conheço.
-Nunca ninguém conhece o que quer que seja. Apenas tentamos. E tu?
-Eu vivo em São Paulo.
-Que parte de SP?
-Rua Augusta.
-Rua Augusta?
-Conhece?
-Rua de vários mundos, a alta na Avenida Paulista, a mistura desencontrada descendo por ela, pela Augusta...

sábado, dezembro 06, 2008

Cadê sua foto?

-Meu país? Meu país fica lá onde fica o horizonte.
-Vc está se divertindo?
-Não, Massalinha, não estou brincando, apenas estou a enviar-te palavras.
-Palavras???
-O que são palavras senão o que oferecemos?
O que oferecemos senão pontes e afectos?
Partimos para os outros com o que temos
E regressamos a nós mais doces e completos
-Vc é mesmo incorrigível. Cada pergunta que faço cada resposta que me evita. Qual sua profissão?
-Sou vendedor de lixo reciclado. Exporto lixo reciclado para a Ásia a $5000 a tonelada e ganho em média $2000 nisso. Meu maior prazer é mostrar à humanidade que o lixo é riqueza e dar a outros a possbilidade de aproveitar o que parece ser destino dos caixotes de lixo. Como vês, sou um salvador, um messias lixadeiro.
-Ué vc está sempre fazendo caçoada Sr Mussane?
-Que culpa tenho que apenas vejas palavras no que escrevo e ironia nos barcos doces que nelas enxerto?
-Me diga: você é mesmo vendedor de lixo?
-Nã0, não sou.
-Então qual sua profissão, sua idade, seu estado, seu país?
-Pelo que vejo, Mussalinha, tu amas as perguntas, pareces um bisturi. Já reparaste que eu não te faço perguntas, que te respeito na opacidade desta caixinha mágica? Por que queres tudo de repente, sopa de pacote imediata?
-Cadê sua foto?

terça-feira, dezembro 02, 2008

BOBs

Este blogue foi hoje registado no BOBs, tal como podeis verificar no lado direito.

De como Massalinha e Jussane se encontraram

-Olá...
-Oi.
-Como estás?
-Eu estou bem, obrigada. E vc?
-Também estou. Aqui estamos nesta caixinha mágica...Meu nome é Jussane.
-Meu é Massalinha. Vc é casado? Quantos anos tem? Tem filhos?
-Clássica trilogia, o eterno receio, o abismo dos comprometidos...
-Responda!
-Posso responder à minha maneira?
-Pode, mas fique já sabendo que não quero sexo virtual nem exibirei cam.
-
-O que é isso?
-Uma rosa. Não gostas de rosas?
-Feito dom juan? Responda às minhas perguntas!
-O que são rosas, o que significam elas?
Rosas são pontes, rosas são sempre paz
Entram no afecto de Massalinha, porque belas
Acrescendo que é Jussane quem as traz
-Oh, um poeta...
-Não consigo tratar-te por você...
-Por quê?
-O você afasta, o tu aproxima.
-Donde vc está falando, qual seu país?

Começa hoje mesmo

Sabem, as histórias de amor não começam nunca nem acabam: simplesmente são. Na verdade, nenhum amor - essa coisa quente e complexa como os melambes acre-doces - o é salvo quando tem apenas uma dimensão temporal: o infinitivo. Ser.
A história de amor entre Massalinha e Hussane começou na trivialidade poderosa daqueles programas mágicos de mensagens instantâneas. No caso vertense, no skype.
Ela será dada a conhecer logo de seguida, no fiel conto que Massalinha e Mussane tiveram a gentileza de me darem a conhecer. Só uns minutinhos.