domingo, dezembro 02, 2007

Meu Mando, minha transgressão

Quelimane, 1 de Dezembro de 2007
Mando
Com um tempo de réplica mais curto do que entre nós é habitual, aqui me tens de novo, passados estes dias todos, uns de encanto, outros de dor.
De encanto, porque, uma vez mais, amámo-nos, aí, na tua Tete, amámo-nos até à saciedade, fundindo corpo e alma, acordando as madrugadas, saudando o Zambeze, chamando as tuas rolas, dando rédea solta aos sonhos que a rotina veda e o bom senso mutila.
De dor, porque entendeste que, por ter dançado com um amigo naquela festa, imediatamente eu me "atirava" a ele.
Sabes, Mando, tu és muito inteligente, muito terno, muito especial, muito diferente do gregário habitual e rançoso das nossas terras, mas nestas banais coisas ficas comum, a alquimia do calor (sempre maldito nessa tua terra) transforma-te: logo pensas que uma mulher está disposta a ir para a cama com o primeiro tarzan que lhe aparece na árvore das possibilidades.
Não foste capaz de pensar e de sentir que se tratava de puro afecto, de irmã para irmão, quase. Pensaste em tudo o que de mau pode existir, apressado e tolo, no alto dos teus prejuízos. Não confiaste em mim, puseste en causa a solidez do amor que te tenho.
Mas agora está tudo de novo bem, não é, Mando? Deixámos o pólo negativo e estamos de novo no positivo, para usar as tuas palavras. Caminhemos em frente, lá onde, horizonte intuído, vertigem sentida, futuro amestrado, tu e eu construímos a estrada das possibilidades.
Não me deixes, não me amputes, sê-me tatuagem eterna.
Nunca esqueças isto: amote (sem travessão) mais do que ontem e bem menos do que amanhã.
Tua, sempre.
Ilser
N.B. Olha, mando-te também um lanho de um dos meus coqueiros aqui. Parte-o docemente e depois sorve a água. Quando o fizeres, docemente também, sentirás que me estás a sorver. Sabes bem que sou doce. E estes meus lábios são-te em permanência.

4 Comments:

Blogger Diva said...

Os momentos de prazer duram...o seu tempo.
Os momentos de dor, também!
Sem antecipações, o momento. Nunca poderá modificar o passado. Vive o presente, com dor, com alegria, em PLENO!!!
Fico feliz que tudo volte ao normal...
Bjs meus

domingo, dezembro 02, 2007 8:10:00 da tarde  
Blogger micas said...

Meu doce

Quisera eu poder mandar tudo para o espaço, correr atrás da cauda do cometa e pousar-te serenamente na varanda dos teus sonhos...

Tua sempre até que a eternidade nos separe

segunda-feira, dezembro 03, 2007 10:57:00 da manhã  
Blogger Sara said...

Carta demasiado bela para ser real.

segunda-feira, dezembro 03, 2007 4:48:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Para Mando e a amada.

O amor é lindo, é mel e fel, é disto que existe da doçura para a amargura ou vice-versa. Caimos levamtamos tombamos outra vez mas sempre obstinados a buscar a certeza do amor... Viva o amor.

terça-feira, dezembro 04, 2007 6:17:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home