domingo, dezembro 03, 2006

Meu querido Mando

Quelimane, 01 de Novembro de 2006

Meu querido Mando

Espero que estejas bem.
Faz dias que não te escrevo, não é? Desculpa-me! Sinto, sabes, um profundo desfatio por tudo, uma solidão que cresce em mim, algo como que uma porta fechada que, cada vez mais, não consigo abrir.
Tenho a certeza, meu Mando, de que o destino foi feito para tolher os nossos passos, os teus e os meus.
Chego a casa e encontro tudo sempre igual, acho que as coisas e os hábitos nunca um milímetro sequer se moveram dos seus locais, dos seus nichos. Todos os dias a mesma coisa.
E, depois, esta terra sempre parada, onde a única coisa que acontece, meu amor, é nada acontecer.
Acho, até, que nem as palmeiras sabem o que é a novidade, elas que, porém, todos os dias espreitam o céu e amam os astros, elas que sabem do longe e das coisas ansiadas.
Melhor mesmo parar por aqui hoje.
Meu mando, vem buscar-me! Vem!
Sempre tua.
Il

2 Comments:

Anonymous Diva said...

saudades...sentimento tao verdadeiro esse da Il. Bjs meus

terça-feira, dezembro 05, 2006 9:38:00 da tarde  
Anonymous Diva said...

saudades...sentimento tao verdadeiro esse da Il. Bjs meus

terça-feira, dezembro 05, 2006 9:39:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home